O trabalho e as faltas | De Mãe para Mãe

O trabalho e as faltas

Responda
25 mensagens
Jessica Romero -
Offline
Desde 24 Maio 2022

Olá a todas , a minha pequena começou o berçário no início do mês e fora as consultas já faltei 3 dias por ela estar doente , ontem fui trabalhar e hoje dia ligam me para ir buscar a mais velha doente também , já se sabe que os patrões e restantes colegas não acham graça nenhuma e noto um certo azedume ... Como lidam com isso ?

Susana Alexandr... -
Offline
Desde 26 Set 2022

Olá mãe! Eu faço a gestão de uma equipa e felizmente não coloco os meus funcionários numa situação desconfortável no que diz respeito ao trabalho, quer os que têm filhos, quer os que não os têm. Dou toda a liberdade para que faltem a trabalho, se for necessário para o seu bem estar ou das suas famílias e a forma de compensarem ou não é discutida depois. Tudo assenta num equilíbrio fundamental, porque as empresas são as pessoas e sem pessoas não há empresas. Infelizmente também sei que essa não é a realidade do nosso país. No entanto, existe uma coisa que se chama a lei e que à falta de bom senso, também nos protege. Tem até 30 dias por ano para assistência à família para filhos até 12 anos. Depois dos 12 anos passam para 15 dias. As faltas são justificadas. Nem sempre é fácil lidar com a amargura dos outros, mas pense o seguinte: não está a fazer nada que não seja um direito seu, assim como é um direito de outros que têm filhos. Hoje é voce, amanhã podem ser eles. Não se chateie com situações que não controla, só lhe traz stress desnecessário. Se não entendem e preferem manter um ambiente mais tenso, problema deles. De certeza que no meio de algumas pessoas encontra uma com quem pode contar Sorriso Um abraço.

fmmartins -
Offline
Desde 14 Dez 2016

É complicado. Ninguém tem culpa de um filho ficar doente, acontece com frequência quando são pequenos. São nossos filhos, dependentes de nós, já nos custa vê-los doentes quanto mais ainda aturar o azedume. É tão óbvio mas falta sensibilidade às pessoas.
Também me aconteceu ficar com febre durante a noite e só avisar de manhã que não ia ou ter de largar tudo e ir buscá-la. Também senti esse azedume (curiosamente vindo de mulheres já mães que deviam compreender melhor). O que fazia/faço é patilhar as faltas com o pai. Se tiver de ficar uma série de dias dividimos entre os dois.

Marina4 -
Offline
Desde 15 Maio 2016

Mas quem não tem filhos não pode ficar sobrecarregado com o trabalho dos outros. ..

Anotski85 -
Online
Desde 09 Jun 2020

Marina4 escreveu:
Mas quem não tem filhos não pode ficar sobrecarregado com o trabalho dos outros. ..

Pois claro. Abandonemos as crianças, doentes, sozinhas em casa. Elas que tratem de si próprias, que se ponham a ir sozinhas ao médico e à farmácia, e tratem de se pôr boas. O que importa é que os ignorantes e insensíveis dos colegas não se sintam desconfortáveis. Ora que bela solução a Marina cozinhou. Sensatez não falta.

Anotski85 -
Online
Desde 09 Jun 2020

Jessica, mande os seus colegas dar uma volta. Era o que faltava! Estão azedos, problema deles. Anti-ácidos fazem maravilhas para a azia.
Esqueça isso!
As melhoras das suas pequenas.

Marina4 -
Offline
Desde 15 Maio 2016

Anotski85 escreveu:

Marina4 escreveu:Mas quem não tem filhos não pode ficar sobrecarregado com o trabalho dos outros. ..

Pois claro. Abandonemos as crianças, doentes, sozinhas em casa. Elas que tratem de si próprias, que se ponham a ir sozinhas ao médico e à farmácia, e tratem de se pôr boas. O que importa é que os ignorantes e insensíveis dos colegas não se sintam desconfortáveis. Ora que bela solução a Marina cozinhou. Sensatez não falta.

desculpe? Acha mesmo que as pessoas com filhos têm mais direitos do que os outros? Incrível. Eu tenho filhos, mas o meu colega colega tem de trabalhar dois turnos seguidos...a solução não pode ser sobrecarregar colegas..

fmmartins -
Offline
Desde 14 Dez 2016

Eu não acho que alguém que tenha filhos tem mais direitos. Se o meu colega faltar para ficar com as filhas faz-se o que se pode face à ausência. Posso ficar mais sobcarregada mas pode chegar o dia em que seja ao contrário. Não há muito a fazer, aliás nem é preciso haver filhos, basta a pessoa adoecer e não poder ir.

Sansa -
Offline
Desde 18 Jan 2018

Marina4 escreveu:

Anotski85 escreveu:

Marina4 escreveu:Mas quem não tem filhos não pode ficar sobrecarregado com o trabalho dos outros. ..

Pois claro. Abandonemos as crianças, doentes, sozinhas em casa. Elas que tratem de si próprias, que se ponham a ir sozinhas ao médico e à farmácia, e tratem de se pôr boas. O que importa é que os ignorantes e insensíveis dos colegas não se sintam desconfortáveis. Ora que bela solução a Marina cozinhou. Sensatez não falta.

desculpe? Acha mesmo que as pessoas com filhos têm mais direitos do que os outros? Incrível. Eu tenho filhos, mas o meu colega colega tem de trabalhar dois turnos seguidos...a solução não pode ser sobrecarregar colegas..


Ninguém tem de trabalhar 2 turnos seguidos. Se existir um problema de falta de pessoal, é a empresa que tem de resolver. Qualquer pessoa pode adoecer e ter de faltar, ainda mais nos tempos que correm com a questão da Covid.
Qual é então a solução? O que é que tu sugeres que se faça caso um filho adoeça? É muito giro criticar, mas e soluções, tens?

Sansa -
Offline
Desde 18 Jan 2018

fmmartins escreveu:
Eu não acho que alguém que tenha filhos tem mais direitos. Se o meu colega faltar para ficar com as filhas faz-se o que se pode face à ausência. Posso ficar mais sobcarregada mas pode chegar o dia em que seja ao contrário. Não há muito a fazer, aliás nem é preciso haver filhos, basta a pessoa adoecer e não poder ir.

Basta a pessoa testar positivo para Covid e ter de fazer quarentena.

Sansa -
Offline
Desde 18 Jan 2018

Anotski85 escreveu:

Marina4 escreveu:Mas quem não tem filhos não pode ficar sobrecarregado com o trabalho dos outros. ..

Pois claro. Abandonemos as crianças, doentes, sozinhas em casa. Elas que tratem de si próprias, que se ponham a ir sozinhas ao médico e à farmácia, e tratem de se pôr boas. O que importa é que os ignorantes e insensíveis dos colegas não se sintam desconfortáveis. Ora que bela solução a Marina cozinhou. Sensatez não falta.


Tu estás maluca? Abandonar as crianças sozinhas em casa? Não! Manda-se as crianças doentes para a escola para contagiar os colegas, e porque o conforto de um adulto saudável é bem mais importante que o bem estar de uma criança doente. Sozinha em casa ainda lhe dava para se pôr a descansar e facilitar a recuperação. Mas quem é que quer isso?

Anotski85 -
Online
Desde 09 Jun 2020

Marina4 escreveu:

Anotski85 escreveu:

Marina4 escreveu:Mas quem não tem filhos não pode ficar sobrecarregado com o trabalho dos outros. ..

Pois claro. Abandonemos as crianças, doentes, sozinhas em casa. Elas que tratem de si próprias, que se ponham a ir sozinhas ao médico e à farmácia, e tratem de se pôr boas. O que importa é que os ignorantes e insensíveis dos colegas não se sintam desconfortáveis. Ora que bela solução a Marina cozinhou. Sensatez não falta.

desculpe? Acha mesmo que as pessoas com filhos têm mais direitos do que os outros? Incrível. Eu tenho filhos, mas o meu colega colega tem de trabalhar dois turnos seguidos...a solução não pode ser sobrecarregar colegas..


Por acaso, não acho, tenho a certeza: tem os direitos que a parentalidade lhe confere, e que os colegas que não são pais não têm. Mas repare, Marina, que não são direitos que favoreçam os próprios. São direitos que visam assegurar o melhor o interesse da criança, que a Constituição da República Portuguesa (lei de base e fundamental neste país) consagra como superiores aos direitos dos empregadores, de livre empresa e demais. É por ser do melhor interesse dos bebés que as mães usufruem de licença de amamentação. É por ser do melhor interesse das crianças, que pais e mães podem faltar 30 dias por ano, sem perda de remuneração líquida, para cuidar de filhos doentes. É por ser do melhor interesse das crianças que pais que trabalham por turnos nem sequer os estão obrigados a fazer em determinados horários. E por aí fora. Que a Marina não saiba isto, sendo mãe, é lamentável.
Se a falta de um colega por dois ou três dias, uma semana, duas, sobrecarrega os demais, cabe à empresa substituir o trabalhador em falta. Aliás, é para isso que servem as figuras de trabalho temporário e contratos de muito curta duração, também previstos no código do trabalho.

Anotski85 -
Online
Desde 09 Jun 2020

Sansa escreveu:

Anotski85 escreveu:

Marina4 escreveu:Mas quem não tem filhos não pode ficar sobrecarregado com o trabalho dos outros. ..

Pois claro. Abandonemos as crianças, doentes, sozinhas em casa. Elas que tratem de si próprias, que se ponham a ir sozinhas ao médico e à farmácia, e tratem de se pôr boas. O que importa é que os ignorantes e insensíveis dos colegas não se sintam desconfortáveis. Ora que bela solução a Marina cozinhou. Sensatez não falta.

Tu estás maluca? Abandonar as crianças sozinhas em casa? Não! Manda-se as crianças doentes para a escola para contagiar os colegas, e porque o conforto de um adulto saudável é bem mais importante que o bem estar de uma criança doente. Sozinha em casa ainda lhe dava para se pôr a descansar e facilitar a recuperação. Mas quem é que quer isso?


É de loucos, não é? Partilho da estupefacção.

Mag_M -
Offline
Desde 13 Jul 2018

Sansa escreveu:

Marina4 escreveu:

Anotski85 escreveu:

Marina4 escreveu:Mas quem não tem filhos não pode ficar sobrecarregado com o trabalho dos outros. ..

Pois claro. Abandonemos as crianças, doentes, sozinhas em casa. Elas que tratem de si próprias, que se ponham a ir sozinhas ao médico e à farmácia, e tratem de se pôr boas. O que importa é que os ignorantes e insensíveis dos colegas não se sintam desconfortáveis. Ora que bela solução a Marina cozinhou. Sensatez não falta.

desculpe? Acha mesmo que as pessoas com filhos têm mais direitos do que os outros? Incrível. Eu tenho filhos, mas o meu colega colega tem de trabalhar dois turnos seguidos...a solução não pode ser sobrecarregar colegas..

Ninguém tem de trabalhar 2 turnos seguidos. Se existir um problema de falta de pessoal, é a empresa que tem de resolver. Qualquer pessoa pode adoecer e ter de faltar, ainda mais nos tempos que correm com a questão da Covid.
Qual é então a solução? O que é que tu sugeres que se faça caso um filho adoeça? É muito giro criticar, mas e soluções, tens?

Que belo exemplo de como contribuir ativamente para o sistema patriarcal 😉🤣

Marina4 -
Offline
Desde 15 Maio 2016

Estou estupefacta com o que leio. .os direitos já existem e já os usei. Licença de amamentação, 30 dias pagos a 100 por cento para assistência a menor de 12 anos. O que eu li foi outra coisa. Que os colegas se aguentassem e paciência, não tinham que piar. Portanto quando os vossos filhos já forem grandes, quero ver se vocês asseguram o trabalho do colega que tem os filhos doentes, ou consoante o tipo de trabalho, fazem folgas e fins de semana etc. Aposto que não mas na internet é tudo muito bonito.

Sansa -
Offline
Desde 18 Jan 2018

Marina4 escreveu:
Estou estupefacta com o que leio. .os direitos já existem e já os usei. Licença de amamentação, 30 dias pagos a 100 por cento para assistência a menor de 12 anos. O que eu li foi outra coisa. Que os colegas se aguentassem e paciência, não tinham que piar. Portanto quando os vossos filhos já forem grandes, quero ver se vocês asseguram o trabalho do colega que tem os filhos doentes, ou consoante o tipo de trabalho, fazem folgas e fins de semana etc. Aposto que não mas na internet é tudo muito bonito.

Já o fiz quando não tinha filhos. Troquei muita folga e trabalhei muito fim de semana para facilitar quem precisava.
No entanto, contínuas sem apresentar a solução. O que é então suposto fazer-se? Quem tem um filho pequeno doente, com febre, vai fazer o quê? Mandar o filho para a creche? Pagar uma ama?

Sansa -
Offline
Desde 18 Jan 2018

E Marina, estás a partir do princípio que todos os empregos funcionam por turnos, e exigem presença ao fim de semana.
Existem muitos trabalhos em que a ausência de um empregado apenas reduz o número de membros na equipa, e provavelmente os outros terão de assumir algumas tarefas.

Sansa -
Offline
Desde 18 Jan 2018

E já agora, elucidem-me por favor porque parece que a Covid em Portugal, ou já não existe, ou já não é obrigatório fazer quarentena.

Cat_Burmester -
Offline
Desde 11 Fev 2020

Sansa escreveu:
E já agora, elucidem-me por favor porque parece que a Covid em Portugal, ou já não existe, ou já não é obrigatório fazer quarentena.

Já não há quarentena pelo que vamos passar a ter convidários no lugar de infantários pelos comentários que aqui se lê.

Sansa -
Offline
Desde 18 Jan 2018

Cat_Burmester escreveu:

Sansa escreveu:E já agora, elucidem-me por favor porque parece que a Covid em Portugal, ou já não existe, ou já não é obrigatório fazer quarentena.

Já não há quarentena pelo que vamos passar a ter convidários no lugar de infantários pelos comentários que aqui se lê.


É que eu nem estou apenas a referir-me aos infantários, mas também ao local de trabalho.
Bem, se não há quarentena, isso é espectacular (sarcasmo). Vamos lá infectar toda a gente com quem trabalhamos/convivemos, especialmente os que são mais debilitados a nível de saúde.
Que estupidez, ou é 8 ou 80.

fmmartins -
Offline
Desde 14 Dez 2016

Entrei no meu primeiro emprego para fazer uma licença de maternidade e acabei por ficar. O bebé da minha colega até ser operado aos 3/4 anos fazia otites de repetição. O mês de agosto fechava a creche...
Segundo emprego, reforçar a equipa, outro bebé a nascer... Não é seguramente romantismo da internet.

Marina4 -
Offline
Desde 15 Maio 2016

Sansa escreveu:
E já agora, elucidem-me por favor porque parece que a Covid em Portugal, ou já não existe, ou já não é obrigatório fazer quarentena.

Já não há isolamento para positivos

Anotski85 -
Online
Desde 09 Jun 2020

Não há romantismo nenhum. É puro pragmatismo. Quando entrei no meu emprego atual entraram também dois colegas que em menos de 2 meses ficaram de licença de parentalidade (são um casal, ela estava no fim da gravidez quando foi contratada). Desde aí e até ao meu filho nascer, fiz muito trabalho que era para duas pessoas, e fiz solidariamente. Agora que o meu filho nasceu, eu estive de baixa e depois de licença, foram os meus colegas que fizeram trabalhos por mim.
.
A mão que dá é a mesma recebe, Marina.

Mag_M -
Offline
Desde 13 Jul 2018

Antes de ser mãe, eu trabalhava que nem uma louca. Sempre amei o que faço, por isso era fácil. Apoiei e ajudei muitas colegas com filhos pequenos, sempre me foi natural, compreendia o lugar onde estavam.
Agora que sou mãe, naturalmente, fazem o mesmo por mim!

Cat_Burmester -
Offline
Desde 11 Fev 2020

Sansa escreveu:

Cat_Burmester escreveu:

Sansa escreveu:E já agora, elucidem-me por favor porque parece que a Covid em Portugal, ou já não existe, ou já não é obrigatório fazer quarentena.

Já não há quarentena pelo que vamos passar a ter convidários no lugar de infantários pelos comentários que aqui se lê.

É que eu nem estou apenas a referir-me aos infantários, mas também ao local de trabalho.
Bem, se não há quarentena, isso é espectacular (sarcasmo). Vamos lá infectar toda a gente com quem trabalhamos/convivemos, especialmente os que são mais debilitados a nível de saúde.
Que estupidez, ou é 8 ou 80.


É o salve-se quem puder Cara séria